Turismo Santa Cruz

Há várias formas de se fazer turismo em Santa Cruz de Goiás:


1- Turismo Cultural; Turismo ReligiosoOs principais atrativos do Turismo Cultural  em Santa Cruz de Goiás são:

Sítios Históricos e Arqueológicos clique aqui
Gastronomia típica
Saberes e fazeres
Eventos programados
outros que se enquadram na temática cultural


“ De acordo com o Caderno de Turismo do Ministério da Cultura “Turismo Cultural” compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura”. (Marcos Conceituais – MTur)
“Consideram-se patrimônio histórico e cultural os bens de natureza material e imaterial que expressam ou revelam a memória e a identidade das populações e comunidades. São bens culturais de valor histórico, artístico, científico, simbólico, passíveis de se tornarem atrações turísticas: arquivos, edificações, conjuntos urbanísticos, sítios arqueológicos, ruínas, museus e outros espaços destinados à apresentação ou contemplação de bens materiais e imateriais, manifestações como música, gastronomia, artes visuais e cênicas, festas e celebrações. Os eventos culturais englobam as manifestações temporárias, enquadradas ou não na definição de patrimônio, incluindo-se nessa categoria os eventos gastronômicos, religiosos, musicais, de dança, de teatro, de cinema, exposições de arte, de artesanato e outros”.
Além disso, outros recortes como turismo cívico, religioso, místico/esotérico e étnico também são considerados segmentos específicos do Turismo Cultural, o que gera amplas oportunidades para desenvolver roteiros adaptados a diversos gostos e necessidades, tanto do turista nacional quanto do estrangeiro.



Festa em homenagem ao Divino Espírito Santo( Festa de Pentecostes, 50 dias após a Páscoa), Nossa Senhora do Rosário e São Benedito com apresentações de: 


Cavalhada clique aqui para conhecer   ...

Contradança, clique aqui para conhecer  ...
Folia do Divino,
 Batuque 
Banda de Música “Lira Oito de Dezembro”
Fotos festa do Divino

Folia de Reis do Rio do Peixe ( Santo Antonio da Esperança) (giro) 

Festas na zona rural:  Homenagem a Santo Antonio; São Judas Tadeu em Rio do Peixe( Santo Antonio da Esperança) e outras festas em outras localidades na zona rural

·  Ver datas das comemorações na Agenda Festiva clique aqui

videos




2-Turismo de Aventura; Turismo de Lazer; Turismo Ecológico (ou Ecoturismo); Turismo Rural:Parques naturais, reservas da biosfera, lindas pedras esculpidas ao longo do tempo pela natureza. Grandes áreas de preservação ambiental. Serras e diversas cachoeiras que encantam qualquer turista. As águas dos rios e os saltos das pequenas, médias e grandes cachoeiras são os maiores atrativos da região.

cachoeira do Taboão – Na Fazenda Matinha, a 26 quilômetros do Município, encontra-se a primeira Cachoeira Taboão (Rio do Peixe), com quedas que chegam a seis metros. À beira do muro de pedra esculpido de forma natural descem pequenas ondas perenes sobre extensa vala de formações rochosas. O lugar já foi todo coberto por água em tempos passados. No paredão de pedra (até 15 metros de altura) é possível ver em detalhes a obra criada pela mãe-natureza. Após uma descida de aproximadamente de 260 metros chega-se na segunda queda d’água de Taboão, que dá acesso à represa das cachoeiras. A natureza se encarregou de construir um trampolim de pedra de quase quatro metros de altura para banhistas se refrescarem.

Aos amantes da pescaria que não dispõem de tempo para ir ao Araguaia, a Praia do Travessão, a cerca de 29 quilômetros do centro da cidade, na Fazenda Laginha, é o lugar adequado. Nas proximidades encontra-se ainda o Pesqueiro do Areião, a Praia da Barra e o Rancho da Carvoeira.                                      
galeria_20120501_151656ea29c35655609c6f2fa44b9bed6d434b
Uma pequena caminhada para chegar à cachoeira do Ló
galeria_20120501_153015d0c6287192cec0f406b63ed6730eaf4f
CACHOEIRA DO LÓ: Com saltos de 30 metros de altura, localizada a 6 quilômetros da cidade…água cristalina. O lugar é propício para descanso, meditação e banhos refrescantes. Para os mais aventureiros, que gostam de esportes radicais, o RAPEL é uma boa pedida. Vídeo CACHOEIRA DO LÓ

553438_308885225874327_907511091_n
cachoeira da vala



DSC026881.jpg

58738_4351035292004_935436328_n (2)
As terras de Santa Cruz são banhadas pelo Rio do Peixe, córregos Muquém, Caiapó, Piratininga, Fundo, Mato Virgem, Água Suja, Pedra de Amolar, Brumadinho, São Benedito, Sapé, Dantas, Ribeirão Brumado, Manoel Duarte e outros cursos d’água que atraem os visitantes.. 

conselho 047
Igreja Rio do Peixe


conselho 065
Porta da igreja em Rio do Peixe
Fazenda Carlos Henrique de Q. Jr.
Muquem























“No povoado conhecido como Patrimônio de Sapé, região que fica entre Santa Cruz e Caldas estão guardadas histórias interessantes sobre passagens de desbravadores dos sertões. O local surgiu com passagens de exploradores de minérios no Córrego Sapé. Sertanistas acampavam às margens do córrego não só com a intenção de explorar minério, mas também para alimentar-se da caça e pesca. No Sul goiano, em Sapé e imediações, encontra-se achado histórico guardado na memória de alguns moradores. O nome é derivado da planta da família das gramíneas, cujas folhas são muito usadas para cobertura de habitações. Moradores afirmam que antes de existir Santa Cruz, algumas famílias já residiam por lá, há mais de 300 anos. As pessoas mais velhas afirmam que o patrimônio, além de muito antigo, mantém ainda tradições de arraiais coloniais, comandado por uma comissão formada pela Igreja Católica do local. Não existem documentos oficiais que firmem a autenticidade das declarações, mas estes anciões também guardam a tradição que a palavra vale mais que qualquer documento escrito”.
(Jornalista Silvio Souza – DM Goiânia)
“Histórias do tempo em que bandeirantes passaram pelo Estado.l. Relatos de mais velhos têm importância muitos grande no resgate da história de Goiás, já que o passado dos bandeirantes se perdeu com o tempo e quase não sobraram comprovações dos fatos por escrito. Joaquim Pérola Martinez, 95, descendente de proprietários de fazenda. O ancião afirma que percorreu todos aqueles lugares em época auge de exploração de café, transportados em estrada de ferro até o Patrimônio de Sapé. “Meu avô faleceu com 101 anos e 60 destes foram dedicados à lavoura e pecuária. Nosso bisavô, respeitado fazendeiro da época, nos deixou muitas histórias de bandeirantes que andavam por aqui”, disse Joaquim com voz muito trêmula e rouca. “Em 1809 chegaram os sertanistas de São Paulo querendo ouro. Desmataram tudo por causa do córrego de ouro do sapé. Chegaram também bandeirantes de Mato Grosso vindos daquele lugar que hoje é o município de Baliza”, disse. Joaquim contou ainda com muita amargura sobre seu pai que se desfez das terras. “Meu pai acabou com nosso patrimônio. Eu seria um dos fazendeiros mais ricos daqui, se ele não tivesse vendido nossas terras e me deixado na completa miséria. Houve execução de negros escravos na antiguidade. Finaliza”. De acordo com uma agente comunitária, houve uma época em que a região estava infestada às margens do córrego e imediações por uma doença considerada maligna: a peste. Benzedores clandestinos santificaram as terras a pedido de fazendeiros, mas não resolveram. As mortes aumentavam e os proprietários gastavam com a compra de novos escravos e produtos medicinais na tentativa de cura às vítimas. Nada resolveu. Foi preciso fazer uma festa como promessa a São Sebastião, São Geraldo e Nossa Senhora Aparecida. A festa foi no mês de julho e durou nove dias. Ao fim da festa, todos que estavam doentes sararam. E não houve mais morte causada pela “febre maligna”. Para cumprir o voto, os proprietários doaram terras para construção de igreja e chegou até a libertar alguns escravos. Segundo Maria Aparecida, Sapé foi palco de muita covardia contra os negros. Disse: “Os donos de terras de outros locais executavam negros aqui no sapezal” População: 60 pessoas. Acesso: GOS 020 e 412 Distância:  Goiânia: 178 km Brasília: 320 km
O Córrego Água Suja foi foco de muito ouro na época da mineração.
10009283_10204560134821289_3211251763758722696_n
Lagoa da Saudade em dois momentos: passado ( límpida, cristalina) e presente (poluída)…Um lugar agradável. Parte de nossa memória. Lagoa natural. Os pontinhos brancos são garças que pousam na ilha todo final de tarde. Quem estiver por perto pode presenciar o belo espetáculo. Chegam à tarde e partem toda manhã. Isto se repete todos os dias. Este lugar transmite uma enorme paz.
400700_497585126956753_515496984_n
Baruzeiro


















Turismo em espaço rural é uma modalidade do turismo que tem por objetivo permitir a todos um contato mais direto e genuíno com a natureza, a agricultura e as tradições locais, através da hospitalidade privada em ambiente rural e familiar.
Desde a década de 70, como resposta ao aumento e diversificação da procura turística, assim como a procura de soluções para o declínio e desagregação das sociedades rurais, assiste-se ao desenvolvimento do turismo em espaço rural, constituindo-se estas como um meio privilegiado de promoção dos recursos existentes nos territórios rurais, um factor de revitalização do tecido económico e social e uma oportunidade para o desenvolvimento destes territórios.
O Turismo no Espaço Rural constitui uma atividade geradora de desenvolvimento económico para o mundo rural quer por si só, quer através da dinamização de muitas outras atividades económicas que dele são tributárias e que com ele interagem leia mais aqui







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores do Blog

Seguidores no Google+

Total de visualizações de página